sexta-feira, 19 de abril de 2013

Carregando o otimismo e sua camisa grená, seguimos para mais um dia de luta.

Após o apito inicial, agarrava-se a um alambrado,  num misto de esperança e desespero por vê-lo sofrer e não poder ajudar. Bem como quem tinha o desejo de pegá-lo no colo e carregá-lo adiante, superando todas as adversidades. Soltava o desgastado ferro apenas ao fim do jogo - e a contragosto - sem reação ao que via. A situação se complicava dia-a-dia e sua energia parecia não suficiente. Restava àquela altura apenas a certeza de que nunca desistiria dos seus sonhos. E apesar da queda iminente - e já concreta - entendeu que nunca desistirá. É a chama da resistência que permanece acesa.


Enfim era uma loucura que ninguém ao seu redor mais entendia. Não podia, porém, abandonar a situação. 

Nem conseguia. Ela era mais forte. 

E se entre a genialidade e a loucura há apenas uma linha tênue, então cada vez mais íamos a atravessando como gênios incompreendidos, presos a uma ideia fixa, teimosa. Mas por quê?

Porque lá aprendeu valores de carregar para a vida. Em certo ponto, parte até do seu caráter. Lá entendeu o significado de lealdade, união e respeito. Lá viu que suas origens se confundem com a daquele moleque de 89 anos. Lá sentiu pulsar o sangue operário, original dos seus antepassados. Lá tomou chuva e sol. Lá sentiu o concreto frio e o suor escorrendo pelo rosto. Lá riu, chorou, gritou. Lá teve alegria, tristeza e raiva. Lá fez amigos. Lá não deixou um minuto de acreditar. Lá se nutriu do verdadeiro sentido do futebol. 

Tudo com e por você, lá na Javari.

Não há futuro sem passado. Nunca devemos esquecer das vitórias nem das dificuldades sofridas. Dos nossos ídolos e do porquê da nossa história.

Mas também não há futuro sem presente. E então precisamos viver. E pra isso que estamos lá. Pra honrar a tradição e os trapos. Pra ganhar, alentar e construir jogo a jogo, um renascimento pintado em grená e branco.

Que é cada vez mais difícil. Contra grandes inimigos, ocultos ou não, lutamos - como lutavam nossos operários a gloriosos 89 anos. Por mais mal que o façam, por mais que o deixem preso a um castigo não merecido, a uma caverna sombria, acreditamos na reação e na manutenção de sua história brilhante, da sua linda casa e do sagrado manto.

Talvez não seja a hora de celebrar uma data tão especial. 89 anos! No entanto, é hora de mostrar que há quem chore e vibre por você, e enquanto isso acontecer, tudo estará bem, moleque.

Parabéns, Juventus. Sei que veremos muitas travessuras ainda. Confio em você.

#ForzaJuve


Um comentário:

  1. Parabéns Juventus, independnete de tudo, Parabens pelo aniversario, suas glrias do apssada e tradição são bem maiores que tudo.

    Forza Juve!

    ResponderExcluir