sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Primeiro passo para o bi

Depois do polêmico “Diário de um juventino – O moleque continua de castigo”, reabrimos nosso diário pra voltar a contar as histórias da nossa saga dos jogos na Rua Javari. E, ratifico que é com muito orgulho que faremos o trajeto da Rua do Oratório para a Rua Javari, cerca de 10 a 12 minutos, carregando no peito da camisa grená nossa esperança. A esperança de ver o moleque travesso aprontar e tentar conquistar as vitórias rumo ao bi da Copa Paulista.
Sábado, 16/07/2011. Sol muito quente – muito bem observado, um maçarico. Ingressos comprados e nós devidamente posicionados no nosso lugar na arquibancada coberta. A trupe vai com 6 pessoas dessa vez – dentro da média, boa média. O adversário é o São Bernardo, que disputara a A1 esse ano, rival forte. Expectativa de conhecer o time, os jogadores, o esquema tático. Mas, sobretudo, expectativa de começar bem o campeonato, seja com 1×0, 2×1 ou 5×0. A vitória era fundamental.
O jogo:
1º tempo: O Juventus começa melhor, mostrando um time mais organizado do que o visto no primeiro semestre; finalmente vimos um time um pouco mais compacto, com chegada dos meias e atacantes pelos lados. Por outro lado, o São Bernardo mostrava uma jogada muito forte – triangulação pelo lado direito da defesa grená, onde o camisa 9 fazia o pivô e esperava a passagem do lateral; a defesa juventina não conseguia marcar tal jogada, e crescia um mal presságio de que aquela jogada nos incomodaria. Nossas melhores jogadas envolviam os camisas 10 (bom organizador) e 9 (atacante veloz, liso). Por volta dos 35 a 40 minutos, dominávamos a posse de bola e o jogo. Mas, num contra-ataque rápido, a jogada já cantada surtiu efeito e o time do ABC abriu o placar num belo gol – 0×1.
Intervalo: Canolli e muita discussão tática na arquibancada – parecia que o Karmino estava nos ouvindo…
2º tempo: Logo de início, entra o camisa 17, o atacante que mudaria a cara do jogo. Substituição arrojada de Karmino Colombini, que passou o camisa 9, melhor do time para a lateral direita. Além disso, recuou o camisa 5 para a linha de zaga – que, apesar de matar a segunda bola da equipe, deu segurança a bolas alçadas na área. Com tudo isso, ele conseguiu anular a triangulação pelo lado direito, e o Bernô não mais levou perigo o jogo todo. Após apertar muito, numa subida pelo lado esquerdo do nosso ataque, num cruzamento despretensioso, o glorioso zagueiro do São Bernardo – que já havia aprontado outras – deu uma bela furada, deixando a bola nos pés do camisa 17, que guardou nas redes. 1×1. Na empolgação da torcida, o camisa 7, clone menor do querido Nem, executou uma jogada sensacional pelo lado direito, com um drible rápido e direito a drible da vaca, cruzou para trás, encontrando uma chifrada do lateral juventino, camisa 3 – forte, pra baixo, como manda o manual. 2×1. Festa grená. Junto com o sol, foi-se o futebol do São Bernardo. Não havia fôlego nem tempo pra reação. O Juventus manteve a posse de bola sem sofrer perigo. Após 4 minutos de acréscimos, nossa primeira vitória. 3 pontos e lição de casa feita.
Foi uma boa atuação. Mostramos, finalmente, uma equipe compacta. Mantivemos nosso ponto forte – uma zaga muito firme, experiente, além de um goleiro bem seguro. Laterais que só sobem na boa, volantes com pegada e meio campo criativo, principalmente na figura do camisa 10. Atacantes velozes e sobretudo, um banco que pode decidir.
Ficha técnica
Juventus 2 x 1 São Bernardo
Árbitro: Michel Douglas dos Santos;
Assistentes: Daniel Paulo Ziolli e Itamar Donizete Antonelli;Quarto árbitro: César Rodrigo Deolindo;Local: Estádio Conde Rodolfo Crespi, em São Paulo;Data: 16 de julho, às 15h.
Juventus: Maurício; Anderson Santos, Cléber Luís, Baiano (Pablo) e Egon; Fábio Duarte, Nem (Rodrigo), Serginho e Hegon; Luizinho e Tavares (Celsinho)
Técnico: Karmino Colombini.
São Bernardo: Wilson Júnior; Marcelo Godri, Bruno Alves e Thiago Gasparetto (Ricardinho); Thiago Gasparino, Dirceu, Paulinho, Francisco Alex (Raul) e Renato Peixe; Diego Dedoné (Bady) e Diego Acosta.
Técnico: Luis Carlos Martins.
Gols: Diogo Acosta (SBE), aos 43 minutos do primeiro tempo; Pablo (JUV), aos 23, e Cléber Luís (JUV), aos 25 minutos do segundo tempo.
CA: Tavares, Maurício e Luizinho (JUV); Dirceu e Tiago Gasparetto (SBE)
Próximo jogo é fora de casa, contra o São José, 24/07. Voltamos a Javari dia 27/07, contra o Taubaté.
Saudações Juventinas!
16.07 (12)
16.07 (2)
16.07 (11)
16.07 (1)
16.07 (13)

2 comentários:

  1. Fala aí Ricardo,
    Analise tática perfeita. Como sempre, “enxergamos” o jogo. Com o Renatinho e o Bigão a trupe vai estar completa. Sábado estaremos lá novamente.
    abraços e parabéns pelo Blog.

    ResponderExcluir
  2. Esse daí eu perdi… =/
    Não estava em São Paulo…
    Vão ter muitos jogos em casa de quarta, aí “me fode”…
    Mas, pelo o que o Bigo me falou, o Juventus melhorou bastante: tocou mais a bola, houve mais jogadas pelo meio campo…
    No próximo que tiver de fim de semana, estarei lá.
    Abraço.

    ResponderExcluir