sábado, 28 de abril de 2012

Com o talismã em casa: o acesso tá pertinho, pertinho, Juve...

28/04. Sábado. Depois da épica virada pra cima do Marília fora de casa, era vez do Juventus receber o MAC. A Javari prometia lotar com a torcida empurrando pra mais uma vitória na Javari. E entre os quase 3500 pagantes, um mais especial que qualquer outro: 8 horas de viagem e a trupe tinha seu talismã de volta à "Saudosa Maloca" para garantir a festa e buscar o acesso; e não deu outra - a torcida foi de fato linda, até bandeirão subiu nas arquibancadas, o time vibrou demais em campo e nosso pé-quente deixou a A2 pertinho das nossas mãos.


Com elenco quase completo, a exceção do excelente Lucas Pavone, Ferreirão foi muito bem e apresentou na Javari um 3-5-2 ousado. Túlio voltou ao gol e tinha a sua frente Fubá, Reginaldo e Xavier na sobra; Tony mais avançado pela direita e Maurício improvisado na esquerda; Eduardo como primeiro volante, Saulo como segundo e responsável pela saída de bola e Élvis (capitão) na armação; na frente, a dupla Thiaguinho e Rafael Magalhães. O esquema foi bem sucedido e os maiores destaques foram Thiaguinho pela correria na primeira etapa e o meia Saulo pela cadência e disposição; destaco também Eduardo, melhor em campo, que mordeu demais e parava todos que vinham em sua direção.

O jogo:
Ansioso, o time grená errava passes bobos e se complicava para acertar a saída de bola. Mesmo assim, tinha a posse de bola e com o passar do tempo ganhou o meio-de-campo e dominou a partida. Os ataques foram se tornando cada vez mais perigosos e a torcida se agitou em lances de perigo de Tony e Rafael. O gol demorava a sair, mas com o apoio irrestrito das arquibancadas, a equipe apertou no final da etapa e Thiaguinho em grande jogada invadiu a área e esperou o empurrão: Penalti! Tony foi pra cobrança e com muita calma deslocou o goleiro e marcou o 1 a 0 pra explodir a Javari. A segunda etapa começou tensa. Ferreira prendeu a equipe, que apostava em contra-ataques; o MAC ameaçou tomar conta da partida e agrediu a meta de Túlio. Foi missão do agitado Élvis arrumar a casa. Com a bola nos pés, o maestro brecou um contra-ataque grená e antes de ser xingado por alguns malucos que não gostam de seu futebol, o juiz levantou o segundo amarelo pro rival, pra loucura do hoje camisa 8, que convocou a torcida pra participar. Com um a mais, o time passou a administrar a partida e esperar pelo tento da vitória. Curiosamente, após a saída do capitão (que seria expulsou cedo ou tarde) e entrada do esforçado prata-da-casa Romarinho, que saiu o gol de alívio: Rafael recebeu a bola na marca da cal e colocou pro fundo das redes; 2 a 0, com direito a 'tchu tcha tcha' dos jogadores à beira do alambrado. De resto, além de esperar o fim de jogo, o público viu de graça - infelizmente - uma briga entre jogadores e torcedores marilienses, em crise com os últimos resultados.

Fim de jogo e a vitória levou o Moleque aos 8 pontos na liderança isolada do grupo. Basta talvez um empate para que o acesso seja uma realidade. O jogo de hoje foi vital para a caminhada. Numa Javari abarrotada, cada vez mais sinto que a relação desse time com a gente é muito forte. A batida forte no peito não é mais demagógica como era a tempos atrás; a vibração e alegria de Fubá e Élvis contagia uma torcida que naturalmente é contagiada - por si, contagiante. Foi demais. A trupe foi desfalcada, mas com Sérgio, Reinaldo e o talismã. Com a mística grená, vestida por Fubá no último triunfo, Bigão viajou 8 horas para chegar a sua casa e já poderá voltar com a alegria de ter  passado pela Casa Nostra e deixar o acesso pertinho, pertinho do Moleque Travesso.

Voltamos à Javari nesta quarta-feira, 02 de maio, 15 horas, contra o Guaçuano. Ainda secamos os rivais para esperar a melhor combinação. Mesmo assim, só a vitória importa. Voltaremos, voltaremos... #ForzaJuve


Saudações juventinas!









Nenhum comentário:

Postar um comentário