quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Pela vitória e pela confiança, forza Moleque!

Após conquistar 15 em 18 pontos disputados no início da Copa Paulista, nos 18 seguintes apenas 5 foram conquistados. O Templo da Javari, um temor para os adversários durante a campanha do acesso, no 1º semestre, deixou de jogar conosco - apesar do apoio irrestrito da apaixonada massa grená. As más atuações em casa, sobretudo nas primeiras etapas, implicaram derrotas para Atlético Sorocaba e duas para o Palmeiras B, além de um empate contra o velho conhecido Osasco. A tal gordurinha acumulada se foi e a classificação ainda tem boas chances de vir, porém mais sofrida do que deveria. Em terceiro no grupo e com duas pelejas faltando para o final desta fase, o próximo adversário é o "moderno" Audax, concorrente direto pela vaga.


O Juventus enfrenta o jogo de domingo como uma final - a vitória garante o avanço antecipado no grupo e uma viagem tranquila à cidade de Sorocaba. De fato, até o empate é suficiente, uma vez que o time do mercadinho ainda encara o outro adversário direto, o Osasco. No entanto, os últimos resultados e, sobretudo o nível das apresentações, coloca a partida como decisiva, em especial, para a confiança da equipe.

Ferreira ganhou muito prestígio após a vaga na A3, porém teimosias e invenções colocaram a torcida em posição desconfiada. Sem padrão tático definido, colocando garotos ainda despreparados, improvisações sem fim - fatos que alimentam a crise na relação com a torcida. Fatos que começaram com a dispensa de jogadores queridos, como o goleiro Túlio. E outros claros, como Élvis preterido no meio a Léo, a aparente resistência à escalação de Saulo e a insistência com o jovem Raikard - piorados à medida que ambos meias entravam e decidiam e que Magalhães, reserva, se tornava artilheiro da equipe. Ainda sou contra uma eventual dispensa do treinador - não há nomes no mercado e (bem ou mal) o trabalho está em evolução, visando a A2 do ano que vem. Por outro lado, a fase de laboratório da FPF já acabou faz tempo e o treinador não percebeu.

Neste 09/09, a torcida apoiará como sempre, mas vai esperar uma resposta do elenco. Ainda mais porque receberemos um rival nada querido, na casa que prega o "Ódio eterno ao futebol moderno".

O time é bom no papel, mas deve ser explorado ao máximo. As principais carências defensivas podem ser corrigidas com a entrada de Eduardo na cabeça de área para trabalhar com Jean. Pavone é um monstro quando acionado por Élvis e precisa do maestro para jogar. E a área é sempre melhor ocupada quando conta com Didi e Magalhães em seu interior. Dessa forma, o time ideal seria:

 

Vamos lá, Juventus, com toda a sua força neste jogo. Sempre com a mística, com a origine operare no sangue. Voltar a fazer do campo da Javari um terror para quem não é Moleque. #ForzaJuve

Saudações juventinas!

Um comentário: