quinta-feira, 15 de novembro de 2012

A sobrevivência, a lua e a bola que vai pro mato

Os dias vem e vão e nosso blog permanece numa inércia de dar dó. E toda vez voltamos nos desculpando, escrevemos um texto e paramos para as jornadas do dia-a-dia, deixando o pequeno, mas fiel público do Bola pro Mato carente das alucinações futebolísticas que se seguem nessa página. Nesse tempo, algumas coisas mudaram... além de permanecer firme no ritmo insano da querida Escola Politécnica, chegou o estágio e as responsabilidades do trabalho. A edição do "Cê-Viu ?" também continua e sempre que possível roubo um textinho daqui mesmo pra dar novos ares aos pensamentos - em versão impressa. Ah, claro, a volta ao futsal, mesmo que num ritmo mais lento, mostrou que a canhota ainda é precisa cara-a-cara com o goleiro.

No entanto, não há argumentos que justifiquem tamanha ausência. Claro, são muitas tarefas e o blog é a única que não implica "grandes" responsabilidades -com aspas mesmo. Aspas pois aqui sempre foi, ao longo desses 19 meses, um refúgio das ideias e da vida toda. Foi porque quando falamos da bola que rola, nem sempre falamos dela. Falamos, sim, da vida, da cultura, do sentimento. E por essas possibilidades, não custa dizer, viva o futebol!

E lembro de um escrito do ano passado... "Acabei de gastar uma meia hora olhando pra lua antes de dormir. Impossível não constatar mais uma vez como a gente se sente vivo com coisas tão simples como olhar pra lua, apreciar o pôr-do-sol ou admirar a beleza de uma mulher. E pensar que nossa necessidade de sobrevivência que nos mata. Paradoxal, né?". O mesmo acaba valendo para cá, né. As necessidades da vida bem que querem nos afastar do blog, mas a resistência sobreviverá e voltaremos com força renovada em breve.

Porque chutar a bola pro mato passou da distração para um prazer, de botar os pensamentos aqui, discutir ideias e ideais, conversar sobre aquilo que mexe com o bom senso e nos torna refém de um grito de gol. E graças também pela grande alavanca que nos impulsionou, sempre, a amizade de Javari: a resenha dos jogos, o abraço do acesso chorado; que continua, só está, digamos, de férias forçadas.

Enfim, nas próximas 3 semanas, as "grandes" responsabilidades pedem passagem e a necessidade de sobrevivência no mundo hostil lá de fora requer as forças de um gladiador. Foi bom avisar por agora. Por isso, prometo um retorno forte neste final de ano, novidades e muita vontade. Enquanto isso, caminhamos. Saudações grenás!

2 comentários:

  1. Estaremos aguardando o bom bate papo e as incríveis resenhas dos jogos da Juve ,mesmo estando um pouco pessimista quanto a vinda do novo treinador que ora contratamos .
    Força Ricardo e boa sorte em sua jornada de final de ano , pois sei bem o que é passar por esta situação .

    ResponderExcluir
  2. Forza, Ricardão !!! Passa rápido. Abraços pra ti e família.

    ResponderExcluir