domingo, 17 de março de 2013

Obrigado, Jucemar!

17 de março, sábado. Vinte malucos de pedra se dirigem a Rio Claro para ver a provável queda de seu time. Com muita sagacidade, observados como as testumunhas de G... deixa pra lá. O Juventus daria seus últimos suspiros numa luta iminente e perdida contra o rebaixamento.

Um jogo de caráter e anti-caráter. E mais do mesmo: os jogadores que sempre se dedicam - lutando, outros preguiçosos até o fio do cabelo - vagabundeando, e uma torcida que segue seu time insanamente - cantando.

Com três zagueiros, time no 3-4-1-2. Romarinho na ligação frente a uma linha de quatro no meio-campo. O sistema defensivo foi o destaque, com Léo e Xavier muito bem. Por vezes, o time se defendia num 5-4-1. Sólido, tranquilamente era um jogo para não sofrer gols; seria uma pena se tivéssemos um goleiro idiota sob a meta.

O gol juventino foi simbólico, de nomes queridos, de Romarinho para a cabeça de Xavier. Diversas oportunidades poderiam ter ampliado o placar no primeiro tempo; mas a falta de inteligência de Cláudio e um penalti desperdiçado por Maurício mantiveram o placar magro.

Na segunda etapa, equilíbrio e certa tranquilidade. Até Jucemar aparecer. Num penalti absurdo, mal-caráter e moderno. Melhor parar por aqui. 1 a 1. Desespero para buscar a vitória - até a página 2. Lentidão na saída de bola, erros de finalização e um fim coroado com a simulação de queda maldosa de Jucemar durante os acréscimos. Nojo.

Ao fim do jogo, quem tem caráter veio ao alambrado. Élvis, Xavier, Romarinho. Túlio passou longe, dignamente também, e certamente inconformado com sua situação.

Contra o Santo André, quarta-feira, a última cartada - se alguém ainda é inocente de acreditar. A derrota significa o rebaixamento matemático.

Saudações juventinas!

2 comentários: