quarta-feira, 6 de novembro de 2013

A Era do Rádio


As décadas de 1930 e 40 foram os momentos áureos do rádio nos Estados Unidos. Inspirado por esse período, Woody Allen escreveu e dirigiu o filme "A Era do Rádio" (Radio Days, 1987), que conta as lembranças de um garoto e sua família em Nova Iorque, durante a Segunda Guerra Mundial, relembrando a infância permeada pelos programas de rádio da época.

Nesse tempo, o rádio tinha um papel preponderante como veículo de comunicação de massa. A melhor maneira de se manter informado sobre os acontecimentos de sua cidade e do mundo era através do rádio. O filme mostra como a população americana acompanhou apreensivamente a narrativa do ataque à base naval de Pearl Harbor bem como o resgate de uma menina que tinha ficado presa no fundo de um poço. Woody Allen também explora bem o rádio como forma de lazer, quando mostra todos os membros da família do pequeno Seth, o garoto retratado, escutando seus artistas e programas favoritos.


Minha experiência com o rádio vem de moleque. Em especial, ouvindo a Jovem Pan na jornada de domingo, desde o meio-dia até os comentários ao fim da rodada de futebol. E jantando às segundas, com a família à mesa, aquele bom feijão com arroz enquanto os grandes críticos analisavam o final de semana. Uma sensação boa vem à mente, da infância e descompromisso. E segui ouvindo. A descrição do jogo sempre me impressionou, detalhada, fiel e veloz - o jogo não para! E as equipes mobilizadas, narrador, comentaristas, meia dúzia de repórteres dentro e fora do estádio.

Nunca pensei em fazer rádio. Não tenho habilidade nem voz para tanto - até hoje. Mas eis que surge a Web Radio Mooca. Um projeto independente e com uma finalidade: levar o Juventus aos ouvidos de quem quiser escutar as peripécias de um moleque travesso. Levar minha paixão e loucura para o mundo!

Começou Atrás do Gol. Nome mais que obrigatório, referência à baliza mística do gato preto - ou o gol da creche para quem queira. Um convite de Guizão e Corona para uma coluna gravada para o programa. Nem vale contar tanta história... participação in loco com os amigos veio na 7ª edição, sempre às terças, 20h. Pouco depois, em 6 de abril, a primeira transmissão, precioso convite de Marcelo Santos, idealizador do projeto: jogo do sub-17, Juventus 1 x 0 Red Bull. O primeiro do profissional foi em dia de presença de Papa! Na vizinha Taubaté, vitória grená por 2 a 0.

Tudo isso, mas não tenho vaidade alguma. A maior realização em participar das transmissões e debates não é saber que estão me ouvindo, achando que "esse cara é bom". Longe disso, porque não sou. O importante e o que gera a satisfação é saber que o Juventus está sendo exaltado e debatido. Ele, apenas ele, recebe os holofotes que a grande mídia insiste em apagar. É o projeto, a ideia. Se não estiver lá, alguém estará fazendo o mesmo papel brilhantemente, exaltando a cor grená.

Pra ser sincero, não ouvi nenhum jogo do Juventus feito pela nossa equipe esse semestre. Se eles podiam estar lá, eu também podia. Porque nada substitui estar no estádio, torcer agarrado ao alambrado, rasgando a garganta ou sussurrando seu alento. Nem indico que ouça os jogos, mas que vá ao estádio, que é o lugar do torcedor. Ao menos que ache alguma frequência FM no seu radinho...

Não sei o que vai acontecer nos próximos meses. O projeto cresce bastante. No entanto, o tempo deste comentarista é inversamente proporcional, diminuindo com o fim da graduação. A participação diminuirá, mas o ímpeto de ajudar, divulgar, somar à equipe permanecerá sempre, tenha certeza. Uns pitacos na nossa consagrada gravação aos domingos, comentando um jogo aqui outro acolá. Irresistível. Até porque tenho de usar a camisa que ganhei no último jogo do ano.

Nostalgia. Assim se compreende a era de maior impacto do rádio retratada no filme. Woody revela seu íntimo, porque conta a sua história pessoal.

E assim sinto quando falo pelas ondas da Web Radio Mooca, imaginando alguém preso ao computador/celular, atento, refém da emoção que nós levamos - enquanto conto uma história que também vou construindo junto ao ouvinte.

Um salve ao rádio!

Ah, filme é imperdível. Principalmente pela trilha sonora fantástica selecionada pelo bom e velho Woody. Assista!

Abraços!

2 comentários:

  1. É filhão ,infelizmente o tempo passa , mas a gente carrega consigo as boas lembranças daquele tempo .
    E eu mesmo distante , continuo nas ondas da web radio mooca , acompanhando sempre que possível o nosso Juventus . Parabéns pelo texto e obrigado pela dica do filme do Woody .

    ResponderExcluir
  2. Sensacional, mais um belo texto daquele que não é Jornalista por formação porém têm todos os atributos para tal.

    ResponderExcluir