sábado, 6 de outubro de 2012

Num caldeirão político, "El Clasico" chega equilibrado

Desde a criação do blog - tá, não é tanto tempo assim vai - nunca "El Clasico" chegou com tamanho equilíbrio. O Real começou a temporada hesitante, mas vem se recuperando bem, ainda que nas costas de Cristiano Ronaldo, enquanto o Barcelona vem do início de uma "Era pós-Guardiola" com muitas vitórias, ainda que algumas com certo sofrimento. Pela primeira vez, o craque português pode se considerar numa fase levemente superior a de Messi - mas não esqueçamos que o pequeno argentino... é Messi. Na partida deste domingo, apostar num empate não é ficar em cima do muro!


Em clima do desejo de independência catalã, Barcelona recebe Madri em clima tenso - clima que promete invadir o Camp Nou. Todavia, fora o plano político, vamos para a cancha. Tito Vilanova ousa e deve ir para o jogo com volantes na vaga dos zagueiros contundidos Puyol e Piqué - que ainda fará testes para tentar jogar. Esta fórmula, já testada na temporada, mostrou certa fragilidade do sistema defensivo, superexposto à agressão adversária. O time aposta na posse de bola para minimizar os riscos, mas contra-ataques tem sido a principal falha da equipe no ano e, logo, é um fator preocupante e a ser explorado por Mourinho . No geral, o esquema nada foge do implantado por Pep há anos, com um lateral mais contido (que não é Dani Alves... ah vá!), um volante, dois meias, dois atacantes no facão e Lionel onde quiser. A principal dúvida é a manutenção ou não de Cesc Fàbregas na equipe, seja como um dos meias (e abrindo Iniesta para o lado esquerdo) ou mesmo como atacante, no lugar de Pedro ou Alexis. Villa, melhor atacante do elenco, ainda se recupera de lesão e deve ser opção para a segunda etapa. Time provável (4-3-3): Valdez, Dani Alves, Song, Mascherano e Adriano; Busquets, Xavi, Iniesta e Cesc; Messi e Alexis.

O Real Madrid busca a vitória não apenas para reagir no campeonato, mas principalmente para bater o grande rival em seus domínios. O português é o grande nome disparado da equipe, que busca se acertar ainda dentro dos vestiários - cada vez mais se coloca uma guerra fria entre parte do elenco e o treinador, como nos casos de Kaká e Sergio Ramos. No campo, a equipe não deve fugir do tradicional esquema de dois volantes, uma linha de três armadores e um atacante. Um atacante, diga-se, em grande fase como Benzema, pode aproveitar os espaços gerados pela marcação a Cristiano e deixar o seu. A dúvida é o enganche da equipe: Ozil, Modric ou Kaká? O brasileiro é querido pela torcida, mas tem pouca chance; o alemão é brilhante e dá ofensividade, enquanto o croata suporta o sistema defensivo com mais qualidade. Time provável (4-2-3-1): Casillas, Arbeloa, Pepe, Sergio Ramos e Marcelo; Khedira, Xabi Alonso, Di Maria, Ozil e Cristiano Ronaldo; Benzema.

Grande duelo - tático, técnico, emocional e politico.
Palpite BPM: 2 a 1 para o Barcelona.

Façam suas apostas. Bom jogo!
E votem conscientemente!