segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Diário de um Moleque Travesso: Vamo lá Juve, vamo lá Juve...

Casa Nostra, Saudosa Maloca, Templo. Ou Javari. Concreto erguido com orgulho, com amor.  Resista, estamos contigo!

23/01- Qua - Juventus x Noroeste, Rua Javari, 16h
27/01- Dom - Red Bull x Juventus, Campinas, 17h (96 km de viagem...)
30/01- Qua - Ferroviária x Juventus, Araraquara, 20h (288 km de viagem...)
02/02- Sab - Juventus x Velo, Rua Javari, 10h
06/02- Qua - Juventus x Rio Branco, Rua Javari, 16h
09/02- Sab - Monte Azul x Juventus, Monte Azul, 16h (417 km de viagem...)
13/02- Qua - Juventus x Santacruzense, Rua Javari, 16h
17/02- Dom - Portuguesa x Juventus, Canindé, 16h (Ficam todas chorando vendo a festa...)
20/02- Qua - Juventus x Osasco, Rua Javari, 16h
23/02- Sab - Capivariano x Juventus, Capivari, 16h (138 km de viagem...)
27/02- Qua - Audax x Juventus, Estádio do Nacional, 16h
02/03- Sab - Juventus x Catanduvense, Rua Javari, 15h
06/03- Qua - São Carlos x Juventus, São Carlos, 19h (255 km de viagem...)
10/03- Dom - Juventus x São José, Rua Javari, 10h
13/03- Qua - Juventus x Barueri, Rua Javari,15h
16/03- Sab - Rio Claro x Juventus, Rio Claro, 18h (176 km de viagem...)
20/03- Qua - Santo André x Juventus, Santo André, 15h (22 km de viagem...)
23/03- Sab - Juventus x Guaratinguetá, Rua Javari, 15h
31/03- Dom - Comercial x Juventus, Ribeirão Preto, 10h (336 km de viagem...)                
*9 partidas em casa, 10 fora
* Cobertura completa no "Blog do Juva", "Juventus Travesso", "Manto Juventino","Juve.com.br", "Juventino Mooca" (facebook) e, ouvidos na Web Radio Mooca.

Time-base (4-5-1)
Ricardo (Túlio) - Getúlio - Fubá - Matheus (C) - Loyola - Fábio - Djair - Paulo - Élvis - Lucas Biselli - Magalhães (Luciano). 



Análise Tática 
*Colaborando na análise: Rodrigo Tonelli.


O trio de meias deve manter alto nível de movimentação para confundir o adversário e elaborar as principais jogadas. A princípio, Paulo e Biselli atuam como wingers e Élvis como meia central. A variação se dá principalmente com os pontas; Biselli tem maior capacidade de suporte ao lateral e seu deslocamento visa a corroborar com o avanço desse defensor. Paulo, por sua vez, cai muito para dentro respeitando sua característica natural, o que obriga Élvis a se movimentar buscando novos espaços. De qualquer modo, apesar da simples inversão, ela se mostrou eficiente nos últimos jogos-treino.


O camisa 10, em especial, tem dificuldade para recompor como winger e sua atuação pelo flanco tem caráter apenas ofensivo, para tabelas com o lateral. Neste momento, Biselli faz o papel de segundo atacante e Paulo se desloca para a frente da área, como backup no caso de Élvis escolher outra jogada ou em um rebote - o camisa 8 tem boa presença ofensiva e também muitas vezes se infiltra na área para o cabeceio. Abaixo, como fica a disposição no instante da jogada, a mais utilizada no amistoso contra o São Caetano, por exemplo.


Defensivamente, a principal movimentação é de Dijair. O volante atua muito como zagueiro em duas situações: primeira, quando Fubá faz a cobertura natural de Getúlio, Dijair se infiltra para cobrir a vaga na zaga e Paulo fecha o meio; segundo, na subida de um dos zagueiros, constante nos jogos-treino com Matheus ou mesmo Fubá (sabemos que o zagueirão curte brincar de atacante). Na figura abaixo, o retrato da primeira descrição.



Elenco
Goleiros: Túlio - Juninho - Ricardo* - Rafael Ribas;
Laterais-direito: Getúlio - Roger;
Laterais-esquerdo: Márcio Loyola - Ceará;
Zagueiros: Fubá - Matheus - Casoni - Téssio - Cícero - Robson - Leo Fioravanti - Xavier*;
Volantes: Marcão - Santos* - Dijair - Rafael Branco - Fábio Gomes;
Meio-campistas: Élvis - Paulo Santos - Lucas Biselli - Corte - Diego Carioca;
Atacantes: Magalhães - Luciano - Renato - Marlon - Tardini.
* Ainda não regularizados

Peças-chave

O maestro Élvis certamente não tem o físico de quando jogava pelo Santo André e calou o Maracanã, há 9 anos. No entanto, a boa e velha categoria aliada à canhota precisa devem conduzir o Moleque pela A2. Líder natural, foi peça fundamental no equilíbrio do grupo e posicionamento junto à diretoria em horas delicadas na campanha passada. Apesar de não ter sido "o cara" no acesso, foi inegável sua dedicação ao manto. Confio que Élvis permaneça guiando o elenco com experiência e assistências precisas.
O 9... "Siam venuti fin qua per vedere segnare Rafa!" Centroavante forte, bom pivô e de grande poder de finalização, Rafael Magalhães deve ser fundamental na campanha. A A2 é um torneio duro, mas que exige não só a brutalidade da A3. Ai que Rafael deve ser importante, no auxílio à chegada dos meias e tendo a presença de área para as jogadas de linha de fundo. Fez 2 gols na campanha do acesso, mas cresceu muito de rendimento no segundo semestre, quando foi artilheiro do time na Copa Paulista, mesmo saindo do banco várias vezes, com 6 gols.
A novidade pode ser Lucas Biselli. Rodado pelo interior de São Paulo, talvez esteja na melhor forma técnica e física aos 28 anos. Com passagens expressivas por onde passou, compõe o lado esquerdo do 4-5-1 desenhado. Mais do que isso, movimenta-se bem pelo campo e fecha o sistema defensivo com muita disposição. A técnica e a atitude pode fazê-lo um dos destaques da equipe grená. Ano passado, esteve na Javari pelo Inter de Limeira e fez bom jogo - que continue inspirado no gramado da Javari.

A zaga foi em todas as partidas de pré-temporada o grande destaque, principalmente pelo rápido entrosamento entre Fubá e Matheus, novo capitão do time. Cercados por um sistema sólido, vai ser difícil penetrar nas trincheiras grená. Para melhorar a perspectiva, ainda há as ótimas opções de Xavier e Casoni no banco, ambos com plenas condições de serem titulares. Fubá permanece da A3, onde foi matador (6 gols), herói (quem não lembra do jogo contra Taboão?) e quase vilão no último jogo. O zagueirão tem a confiança das arquibancadas e, também, do treinador. Matheus, com a cara de lenhador, agradou; vem de um acesso à A1, então sabe onde está jogando.

Então, vamos pelear!


Xavier, Professor e a torcida: uma união indescritível
A foto acima diz muita coisa - senão tudo. Xavier, que voltou ao clube, representava em campo a luta que a camisa tanto pede, como foi com Túlio também. Com orgulho, batalhava pela vitória, incorporando o espírito grená. Espírito que, onde o Juventus estiver, é carregado um pouco na faixa do Professor Clóvis. Ídolo eterno, o verdadeiro merecedor do busto na Javari. Por fim, uma torcida que foi bravamente cantar pelo seu time, fosse qual fosse o resultado. Só quem é Juventus sabe o que é. Só quem é...

Bom, retomamos nossa saga. O caminho de volta foi duro, tortuoso. O acesso foi sofrido. Favorito no ano passado, muitos consideram que não é dos principais candidatos a A1. Pouco importa. Estaremos lá alentando, empurrando para frente. Faremos da Javari mais do que nunca um caldeirão - vencer em casa é fundamental. O time parece bom, com condições de evoluir. Vamos aprontar mais uma travessura. Preparem-se para a caminhada, amigos. Vamos junto, Moleque! #ForzaJuve

Saudações juventinas!  

2 comentários:

  1. ótima análise, como sempre, cada vez melhor, aliás, agora com esses desenhos táticos bem caprichados. A princípio começamos o ano com o oposto ao ano passado: a principal jogada deixou de ser o apoio pela direita com Tony armando para Thiaguinho cavar pênalti e passou para a corrida pelo lado esquerdo, com o apoio forte do Biselli. Continuamos bem servidos de alas.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  2. po o que seria do juve sem sua torcida ??
    sem nos o juve nao teria nem eiculo de comunicação
    parabens pelo blog !!!!!!!!!!!!!!!!!!1

    ResponderExcluir